Entrar na carreira militar tem muitas características peculiares. Assim, entre elas está a relação entre militares e o meio ambiente.

Afinal, faz parte da rotina e da história do Exército Brasileiro preservar a fauna e a flora do país. Sendo um dos valores da profissão, além de obrigação profissional.

Por isso, você deve entender essa responsabilidade ao decidir ingressar nessa força armada.

Dessa forma, na sequência, foram separados alguns aspectos importantes sobre essa relação e as ações de setembro.

Então, leia até o final e bom aprendizado!

Como começou a relação dos militares e o meio ambiente

“Braço Forte-Mão amiga na Defesa do Meio Ambiente”. É com essa frase que o Exército Brasileiro demonstra seu apreço pelo trabalho dos militares e o meio ambiente.

Inclusive, a força armada possui o Selo Verde-Oliva de Sustentabilidade pelas suas ações voltadas à preservação.

Entretanto, essa é uma história que começou há muito tempo, em 1984. Foi nessa época que começou o estudo para criar o sistema de planejamento estratégico do EB.

Assim, quando ele foi criado e aprovado em 1985, se tornou o primeiro passo para o trabalho militar ambiental.

Então, se estabeleceu o Sistema de Gestão Ambiental do Exército Brasileiro (SGAEB). Dessa forma, cada um dos Órgãos de Direção Setorial do Exército (ODS) passou a determinar suas ações nesse sentido.

Ou seja, cada área de abrangência do ODS pode tomar suas decisões de atividades que envolvam:

  • Educação;
  • Legislação;
  • Licenciamento;
  • Planejamento e controle das atividades desenvolvidas, entre outros serviços e projetos ambientais.

Já em 2016, a Diretoria de Patrimônio Imobiliário e Meio Ambiente (DPIMA) começou a organizar as 11 normas e regulamentos do EB voltados à gestão ambiental.

Então, se criou um canal com a legislação vigente nesse sentido, tornando mais fácil o entendimento de todos sobre as obrigações dos militares e o meio ambiente.

Também é importante salientar que essa força armada realiza funções em diferentes biomas:

  • Amazônia;
  • Pantanal;
  • Cerrado;
  • Caatinga;
  • Mata Atlântica;
  • Pampas.

Dessa forma, suas ações visam preservar a vegetação nativa e a fauna desses ecossistemas.

Quais foram as ações de setembro

Então, as ações dos militares e o meio ambiente foram retomadas em setembro, devido à pandemia da Covid-19.

Assim, a primeira delas foi nos dias 9 e 10: o VI Seminário de Meio Ambiente e Biossegurança.

No evento, promovido online, em Juiz de Fora, no Rio de Janeiro, civis e militares palestraram sobre diversos temas, como:

  • Recuperação de Áreas Degradadas;
  • Bioterrorismo;
  • Nanotecnologia aplicada ao Meio Ambiente;
  • Tratamento de água em Escala Domiciliar.

Dessa forma, além de discutirem assuntos de relevância nacional, o encontro virtual contou com a presença de diretores de instituição de ensino e até o Prefeito de Juiz de Fora.

Ao todo, 262 pessoas participaram, incluindo estudantes universitários. Porém, a maioria, militares e civis que realizam funções de gestão ambiental ou participam de órgãos relacionados.

Depois, em 17 de setembro, o 6º Regimento de Cavalaria Blindado, conhecido como José de Abreu, apoiou a Prefeitura Municipal de Alegrete na limpeza das margens do rio Arroio Regalado.

Dessa forma, a ação de militares e o meio ambiente teve o objetivo de remover resíduos de descarte irregular de lixo.

Além disso, fizeram um trabalho de conscientização da população ribeirinha sobre a importância de ter hábitos que protejam a natureza.

Interessante, né? Então, prepara-se para as provas com a Unipré e trilhe seu sonho!